jornnn

Dona de salão de beleza busca crédito e constrói minimercado

Com apoio da Fomento Paraná, instituição financeira do Governo do Estado, Marisa dos Santos já buscou três créditos e está melhorando de vida. Ela acaba de inaugurar um minimercado, em Campo Largo

arisa dos Santos é daquelas pessoas que têm espírito empreendedor. Contadora, por profissão, ela abriu um salão de beleza há 17 anos em Campo Largo, região metropolitana de Curitiba. Atenta ao bairro onde mora e trabalha, percebeu a demanda dos vizinhos e a falta de açougues, mercados e padarias na região. Decidiu investir um esforço na construção de um mercado anexo ao salão.
“Seremos pioneiros, com um mercado bem amplo e completo para o bairro”, comenta Marisa. O minimercado Villa Empório Armazém acaba de ser inaugurado nesta sexta-feira (1), sendo o primeiro comércio de alimentícios do bairro Botiatuva, em Campo Largo. No local, a empreendedora irá comercializar carnes, pães, hortifrútis e mercearia em geral.
Para montar o novo negócio, ela recorreu a uma linha de crédito de baixo custo da Fomento Paraná, instituição financeira de desenvolvimento do Governo do Estado. “Sem o financiamento, não conseguiria construir o mercado”, afirma Marisa, que é cliente antiga da instituição. “Esse já é o terceiro crédito que busco na Fomento, as condições são muito boas”, completa.
CRÉDITOS – O Salão e Barbearia Lumah se manteve na informalidade durante 12 anos, funcionando ao lado da garagem da casa dela, em um espaço improvisado. Até que Marisa conheceu as linhas de crédito da Fomento Paraná, em 2011. “Com o primeiro crédito, formalizei a empresa e o dinheiro ajudou na obra inicial, na construção do salão novo. Erguemos do zero”, lembra Marisa.
Na segunda vez ela procurou a instituição financeira para capital de giro. “Precisava comprar secadores, tesouras e equipamentos para o salão e sabia que o crédito era barato”, conta a empreendedora. “Depois disso a clientela do salão mais que dobrou.”
GERAÇÃO DE EMPREGOS – Além do novo ambiente e dos novos equipamentos, o crescimento da microempresa gerou empregos. Marisa hoje emprega um filho – que fez um curso técnico em barbearia para atender o público masculino – e a manicure Arleia Ascencio Dias, que era vendedora e decidiu mudar de ramo.
“No comércio, você está sujeito à vontade de compra de outras pessoas. Já o ramo de estética e beleza não para. As mulheres sempre querem estar bonitas. Além disso é o que eu gosto de fazer, deixar as pessoas mais belas”, explica a funcionária. De acordo com ela, outro ponto determinante são os horários e o dia a dia mais flexível possibilitado pela chefe.
FOMENTO PARANÁ - Desde 2011, a Fomento Paraná já contratou mais de R$ 722 milhões em financiamentos para apoiar empreendedores de micro, pequeno e médio porte em todas as regiões do estado. São mais de 18 mil contratos. Cerca de 80% deles são de microcrédito.
No início de maio, o governador Beto Richa anunciou a nova linha de microcrédito da Fomento Paraná, chamada Banco do Empreendedor – Microcrédito Fidelidade. Com limite de até R$ 20 mil em capital de giro, a nova linha atende micro e pequenas empresas, como o salão da Marisa, e Microempreendedores Individuais (MEI) que já são clientes da Fomento Paraná. O pré-requisito é que os empreendedores tenham pago em dia todas as parcelas de contratos anteriores com a instituição.
Os limites para operações de microcrédito também foram elevados: para pessoa física, de R$ 7,5 mil para R$ 10 mil, e para pessoa jurídica (MEI e microempresas), de R$ 15 mil para R$ 20 mil.

Postar um comentário

0 Comentários