jornnn

Foz do Iguaçu, em ritmo de novas eleições e novos candidatos ao pleito em março de 2017





Em sessão no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta quinta-feira (24), o julgamento do recurso especial eleitoral de Paulo Mac Donald Ghisi foi adiado mais uma vez, após o ministro relator Herman Banjamin, votar contra o recurso e pedir novas eleições para Foz do Iguaçu. O julgamento do recurso começou às 12h08 e seguiu até às 13h. Diante do parecer do ministro as bases eleitorais partidárias da cidade, já começaram a articular os grupos para decidirem quem serão os candidatos, aja visto que há informações que a eleição possa acontecer até o mês de abril de 2.017, ao qual, se convocada, o processo eleitoral ocorrerá normalmente com a realização de convenções e a apresentação de novos candidatos. Se mantida a ilegibilidade de Paulo Mac Donald, o PDT já cogita novamente uma candidatura própria, mas o nome do candidato ou candidata ainda encontra se em sigilo. O PSD cogita manter o mesmo elenco, com Chico Brasileiro e Gessani, agora o PMDB, depois da grande derrota nas urnas com Felipe Mansur e seus candidatos a vereador, se monstra com muita insatisfação no que se refere aos seus dirigentes, que levaram seus candidatos indeferidos até o final do pleito o que resultou em um fiasco nas urnas e a perca de uma cadeira na Câmara Municipal. Segundo informações de uma fonte segura, se novas eleições acontecerem haverá candidatura própria com o vereador Paulo Rocha como candidato a prefeito. Já a Rede que conseguiu quase 24 mil votos com o jovem Felipe Mansur existem comentários pela cidade que não lançará candidatura própria e apoiará o candidato indicado pelo Paulo Mac Donald, nos bastidores há também informações que o PSDB possa estar com o grupo do PDT e o PROS com um novo nome depois da derrota esmagadora com Tulio Bandeira que foi preso durante o período eleitoral, sobre o PMN de José Carlos, não tivemos informações mas há possibilidades de estarem lançando também candidatura própria, outros partidos tem previsão de manterem o laços acordados no último pleito.   O adiamento do julgamento se deu por falta de quórum. O recurso deve voltar a julgamento na próxima sessão do TSE, a partir das 19h de terça-feira (29). O ministro Henrique Neves e a ministra Luciana Lóssio, pediram vistas do processo.

Postar um comentário

0 Comentários