jornnn

“O momento é mais grave e exige medidas duras”, diz Ricardo Barros

O líder do governo na Câmara, deputado federal Ricardo Barros (Progressistas-PR), afirmou, nesta quarta-feira (17), que o Brasil vive “um momento mais grave e precisa de medidas mais duras”. Para Barros, o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deve concentrar esforços para acelerar a vacinação e a entrega dos lotes já adquiridos.

“Eu tenho confiança que o Marcelo Queiroga, médico, experimente, muito articulado com a classe política, saberá convencer o Governo de que esse momento da pandemia é diferente daquele do início. É mais grave e precisa de medidas mais duras”, disse ele, em entrevista à GloboNews.

“A tarefa é acelerar a vacinação, negociar adiantamento da entrega de doses e trazer novos fornecedores. E com isso nós podemos avançar. Temos 38 mil salas de vacinação no Brasil, podemos rapidamente imunizar a população, mas é preciso ter vacinas entregues”, acrescentou.

No comparativo entre o Brasil e outros países, Barros lembrou que, mesmo com as dificuldades na aprovação de mais vacinas, o sistema de saúde brasileiro está fazendo um trabalho exemplar no enfrentamento do vírus.

“Olhe bem a estatística de mortes por milhão. Reino Unido, em 4º lugar. EUA, em 11º lugar. Brasil, em 22º lugar. Então, nosso sistema de saúde responde, está melhor do que a maioria dos outros países. Mas o Brasil é o 5º no mundo em número de vacinados”, disse o deputado para a Globonews, lamentando, ainda, o atraso na aprovação de outras vacinas para acelerar o Plano Nacional de Imunização do Governo Federal.

De acordo com ele, o Ministério da Saúde aguarda aprovação da Anvisa para liberar outras vacinas no País. “Há três vacinas aprovadas no Brasil, a Coronavac, a Astrazeneca e a Pfizer, mas temos praticamente dez vacinas compradas pelo Ministério da Saúde, com data de entrega aguardando aprovação da Anvisa. Essas vacinas estão sendo usadas largamente em outros países.”

Postar um comentário

0 Comentários