jornnn

Vereadores analisam remissão das outorgas a táxis e transporte escolar

Para efetivar o incentivo, dois projetos tramitam na CMC. Um oficializa a remissão das cobranças; o outro aumenta em R$ 4,3 milhões o capital social da Urbs para compensar essas perdas.

Vereadores analisam remissão das outorgas a táxis e transporte escolar

No dia 12 de abril, a Câmara Municipal de Curitiba (CMC) recebeu dois projetos de lei do Executivo com o objetivo de não cobrar dos taxistas e dos concessionários de transporte escolar as outorgas referentes a 2020. Um dos projetos oficializa a remissão dessas cobranças (005.00111.2021) e o outro aumenta em R$ 4,3 milhões o capital social da Urbs, que gerencia essas concessões de serviço público para a Prefeitura de Curitiba, para compensar as perdas decorrentes do perdão dessas receitas (013.00001.2021).

Remissão das outorgas
De iniciativa do Executivo, o projeto de lei (005.00111.2021) oficializa a remissão da obrigação de pagamento da outorga devida à Urbs por taxistas e pelo transporte escolar referente ao ano de 2020. A outorga, no caso, é uma espécie de aluguel pago por operadores privados à Prefeitura de Curitiba pelo direito de realizar um serviço público, após serem selecionados para isto pela entidade gestora – no caso, a Urbs.

Na justificativa, assinada pelo prefeito Rafael Greca, fala-se em auxiliar “as atividades que foram nefastamente prejudicadas ante o advento da covid-19”. “No caso particular do transporte escolar, nem mesmo está havendo a prestação dos serviços, eis que as escolas suspenderam o calendário escolar presencial”, acrescenta o chefe do Executivo. Contudo, como a remissão será votada agora, sobre cobranças do ano anterior, o projeto estipula que os concessionários que já quitaram essa dívida terão o valor pago convertido em crédito na cobrança de 2022.

Compensação da Urbs
A remissão das outorgas dos táxis e do transporte escolar impactam o orçamento da Urbs e, para compensar a gerenciadora dessas concessões pela perda de receita, a Prefeitura de Curitiba encaminhou um projeto de lei orçamentária para a CMC (013.00001.2021). O crédito adicional suplementar já está sob análise da Comissão de Economia e aumenta em R$ 4.338.250,00 o capital social da Urbs, remanejando esse recurso de superavit financeiro do exercício de 2020.

Projetos de leis orçamentárias têm um trâmite especial no Legislativo, incluindo os créditos adicionais especiais e suplementares. Eles são admitidos pelo colegiado de Economia, depois seguem para o plenário, quando são incluídos na Ordem do Dia por três sessões consecutivas para recebimento de emendas. Concluída esta consulta aos parlamentares, a matéria retorna à Comissão de Economia, para parecer sobre o tema, e só então é submetida ao plenário. No caso desta proposta do Executivo, ela estará na pauta das sessões plenárias da próxima semana para que os vereadores interessados possam apresentar emendas ao texto.

Postar um comentário

0 Comentários